Representantes de Marília participam de seminário sobre parques tecnológicos e inovação no Estado de SP

Representantes de Marília participam de seminário sobre parques tecnológicos e inovação no Estado de SP

29 de outubro de 2015
|

Com mais de 400 participantes evento teve foco na inovação e no empreendedorismo

 

Representantes do Univem estiveram no último dia 27 de outubro no seminário Investe SP e Parques Tecnológicos – Inovação – Acelerando o Desenvolvimento representando o Prefeito de Marília, Vinícius Camarina e o o secretário municipal de Desenvolvimento Econômico e Turismo, Cássio Luiz Pinto Júnior.

Mais de 400 pessoas participaram do evento para assistir aos quatro painéis do seminário “Investe SP e Parques Tecnológicos – Inovação acelerando o desenvolvimento”, realizado pela Investe São Paulo em sua sede. Empresários, especialistas, acadêmicos, associações e representantes do governo debateram estratégias para que os parques tecnológicos possam contribuir, por meio da inovação e da tecnologia, na geração de inovação e riquezas no Estado de São Paulo.

Recebemos a atribuição de ser um elo constante entre o empresariado e o mundo acadêmico e centros geradores de progresso tecnológico. Este seminário é importante para aproximarmos mais esses setores e definirmos políticas públicas e a atuação do governo para fomentar o ecossistema da inovação e do desenvolvimento econômico no Estado”, afirmou Juan Quirós, presidente da Investe SP.

Vinculada à Secretaria de Desenvolvimento Econômico, Ciência, Tecnologia e Inovação (SDECTI), a agência de promoção de investimentos recebeu a incumbência do governador Geraldo Alckmin de gerenciar parques tecnológicos no primeiro semestre deste ano. Desde então, cabe à Investe SP um papel mais ativo no desenvolvimento econômico do Estado por meio do incentivo à inovação e à pesquisa.

Durante a abertura, o deputado estadual Itamar Borges ressaltou o papel da agência nesse processo de integração. “Este seminário é apenas mais um passo que a Investe São Paulo dá para oferecer caminho melhor para a inovação a muitas empresas”, disse o parlamentar.

O conselheiro da Associação Internacional de Parques Científicos e Áreas de Inovação, Guilherme Ary Plonski, fez a palestra de abertura do evento. Ele explicou como funcionam os conjuntos adequados à inovação e o desenvolvimento tecnológico, traçando um histórico desde o surgimento dos primeiros parques tecnológicos do mundo até sua chegada no Brasil. “Cada parque tem sua história e sua vocação, e é preciso respeitar isso durante o estímulo ao desenvolvimento”, explicou.

Debates

O primeiro painel foi moderado por Ana Abreu, subsecretária de Ciência, Tecnologia e Inovação do Estado de São Paulo, com o tema “Políticas públicas e a atuação de governos na implementação de Parques Tecnológicos e no progresso tecnológico”. “É bom saber que podemos contar com tantos parceiros para criar e suportar ambientes de inovação”, disse Ana. Participaram do debate o diretor Técnico do Parque Tecnológico de São José dos Campos, Elso Alberti Junior, o vice pró-reitor da Universidade de São Paulo (USP), Antônio Saraiva, e o Coordenador Ajunto de Inovação Tecnológica da Fapesp e Professor Associado do Departamento de Política Científica e Tecnológica da Unicamp.

Já no segundo painel foi discutido como os parques tecnológicos podem auxiliar no desenvolvimento de empresas inovadoras e centros de pesquisa e desenvolvimento. O tema foi moderado por Desireé Zouain, coordenadora de Projetos no Núcleo de Política e Gestão Tecnológica da USP. O debate foi conduzido entre Erly Domingues de Syllos, diretor de Tecnologia e Inovação do Ciesp e presidente do Conselho de Administração da Inova Sorocaba, o diretor de P&D&I da GE Health Care, e o diretor-presidente do Cietec, Cláudio Rodrigues.

Com o tema “Entraves no processo de seleção de empresas na indústria de capital de risco brasileira”, o terceiro painel foi moderado por Eduardo Pereira, do BNDES. Participaram Robert Binder, conselheiro da ABVCAP, Magnus Arantes, presidente do HBS Alumni Angels of Brazil e Anderson Thees, sócio da Redpoint Ventures.

“Antes a preferência dos jovens era trabalhar em multinacional, depois trabalhar para o governo e agora o foco é empreender. O espírito empreendedor deve começar dentro da universidade. O jovem que tem uma boa ideia deve ser estimulado e motivado a empreender”, disse Thees, complementando a discussão sobre como estimular a inovação por meio da academia.

O quarto e último painel trouxe representantes de três instituições públicas moderados por Juliano Seabra, diretor geral da Endeavor: Eduardo Saggiorato, superintendente de Negócios e Operações da Desenvolve SP, Oswaldo Massambani, diretor da Agência de Inovação INOVA Paula Souza e Douglas Zampieri, coordenador da área Pesquisa e Inovação da FAPESP.

Saggiorato e Zampieri deram uma breve explicação sobre como os empreendedores e pesquisadores podem ter acesso aos recursos das duas instituições paulistas, enquanto Oswaldo Massambani falou sobre como a inovação é estimulada dentro das escolas e faculdades do sistema Paula Souza. “Queremos fazer com que os estudantes se tornem bons empreendedores”, afirmou Massambani.

Fonte: Site Investe São Paulo